TBT: Atlético 1×1 Tijuana – O surgimento de São Victor do Horto

PUBLICADO EM

EDITORIA:

Você sabe o que significa TBT? Não? TBT é a abreviação de throwback thursday, e é uma hashtag constantemente usada no Instagram. Às quintas, os usuários da rede social costumam postar fotos antigas usando #TBT, com o objetivo de recordar essas lembranças. Nesta quinta-feira (26), iremos relembrar um jogo marcante da gloriosa história da Galo.

Em 2013, o Atlético protagonizou uma heroica e histórica campanha no título da Libertadores. Então, no TBT de hoje, o Mais Minas irá relembrar o inesquecível duelo contra o Tijuana, que eternizou São Victor do Horto.

O contexto

O Galo vivia um sonho. Após fazer uma primeira fase irretocável e eliminar nas oitavas de final o tricampeão São Paulo, o alvinegro chegou às quartas de final com objetivo de se garantir entre os quatro melhores times do continente. Mas não seria fácil. Na partida de ida, contra o Tijuana, no México, o Atlético teve de buscar um empate após sair perdendo por 2 a 0. O Resultado de 2 a 2 deu certa vantagem ao time mineiro no jogo da volta, mas não garantiu nada.

O jogo

30.05.2013. 21 mil atleticanos fizeram do Independência um verdadeiro campo de batalha. Milhares de vozes em prol de um só objetivo: o título inédito da Copa Libertadores.  Contudo, o time preto e branco não estava tão afinado como outrora. A equipe não conseguiu fazer um grande jogo, como vinha acontecendo na competição. E, desta forma, o Tijuana abriu o placar, com Duvier Riascos, aos 25 minutos da etapa incial. O capitão Réver, no entanto, acalmou os ânimos dos alvinegros e empatou, apenas 15 minutos depois.

TBT: Atlético 1x1 Tijuana - O surgimento de São Victor do Horto
Réver empatou para o Galo – Créditos da foto: Bruno Cantini/Atlético

A partida seguiu, mas o Atlético não conseguiu recuperar o comando. A equipe mexicana seguiu pressionando e assustando a Massa. E a escrita seguiu até Leonardo Silva, aos 47 do segundo tempo, cometer pênalti em Márquez. O fim do sonho de conquistar a América?

São Victor do Horto

Se o Tijuana fizesse, eliminaria o Atlético e passaria à semifinal. Como o jogo estava nos segundos finais, o gol mataria o Galo, que não teria tempo para tentar reagir. Então, só um jogador poderia salvar a pele dos milhares de alvinegros espalhados pelo Brasil e pelo mundo. E lá estava ele. Victor, que há um ano havia sido contratado junto ao Grêmio, e já tinha caído na graça da torcida. Agora, todos dependiam dele, que não decepcionou. Riascos partiu para a bola para decretar o fracasso da equipe mineira. Tudo parecia perder o sentido e o fim estava próximo. Porém, como uma luz do além surgiu Victor, que se fez e consagrou São Victor. Com um pé esquerdo abençoado, o arqueiro deu um verdadeiro chutão na bola, digno de um zagueiro em jogo de campeonato. Bola pro mato. Aqui não entra. Aqui é Galo. Rumo à semifinal. O sonho continuaria vivo nos listrados corações da Massa.

TBT: Atlético 1x1 Tijuana - O surgimento de São Victor do Horto
Victor sendo celebrado pelos companheiros – Créditos da foto: Bruno Cantini/Atlético

Alívio. Emoção. Choro, como o presidente Alexandre Kalil, que não conteve as lágrimas ao ver a história ser escrita. O Galo estava lá. E, no fundo, todos sabiam que o destino havia preparado esse momento. Nada e ninguém poderia tirar o título da Libertadores das mãos dos atleticanos.

Sequência

Após isso, o Atlético eliminou o Newell’s Old Boys na semifinal e o Olímpia, na finalíssima, e levantou o tão sonhado troféu da Copa Libertadores de 2013.

Ficha técnica – Atlético 1×1 Tijuana

Local: Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 30 de maio de 2013 (quinta-feira)
Horário: 22h (horário de Brasília)
Escalação do Atlético: Victor, Marcos Rocha (Josué), Réver, Leonardo Silva e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete, Ronaldinho, Bernard (Luan), Diego Tardelli e Jô (Alecsandro). Técnico: Cuca.
Escalação do Tijuana: Saucedo; Núñez, Ortíz (Fidel Martinez), Gandolfi e Edgar Castillo; Pellerano, Fernando Arce, Pablo Aguilar e Richard Ruíz (Marquez); Moreno (Bruno Piceno) e Riascos Técnico: Antonio Mohamed
Gols: Riascos (Tjuana); Réver (Atlético)
Cartões amarelos: (Atlético-MG) Marcos Rocha, Victor (Tijuana-MEX) Gandolfi, Pellerano
Cartão vermelho: (Atlético-MG) Réver
Árbitro: Patricio Polic (CHI)
Assistentes: Juan A. Maturana e Raul Orellana (ambos do Chile)

Veja mais: Atlético 112 anos: uma história eternizada no cenário esportivo mundial

Comentários

NOTÍCIAS RELACIONADAS

EDITORIAS POPULARES

70,308FãsCurtir
28,000SeguidoresSeguir
181SeguidoresSeguir
2,000InscritosInscrever
Comentários