Fundação Renova
Fundação Renova

Por que ‘Dark’, série original da Netflix, beira a perfeição?

Em sua última temporada, a primeira produção alemã “Dark” da Netflix continua a crescer em abismos sombrios entre o mistério da viagem no tempo e o suspense familiar. E o adjetivo “impressionantemente” define perfeitamente a série mais popular do mundo.

ATENÇÃO: o texto contém SPOILERS

Quem teria pensado que uma produção alemã seria escolhida como a série da Netflix mais popular do mundo – e, assim, superaria concorrentes conhecidos como “House Of Cards” e “Stranger Things”? Foi exatamente o que aconteceu com a misteriosa série de viagens no tempo “Dark”: os usuários do site crítico “Rotten Tomatoes”, considerado um influente indicador de qualidade, escolheram a primeira série alemã do provedor de streaming como a produção interna da Netflix mais popular. “Dark” é uma criação da dupla Jantje Friese e Baran bo Odar.

O plano de viagem no tempo, introduzido suavemente, pode ser uma das origens do sucesso de “Dark”, garantindo a conectividade internacional, que adotou inteligentemente a onda retrô provocada por “Stranger Things”. A primeira temporada ofereceu a melhor estética dos anos 80. A segunda temporada deixou claro, no entanto, o que a terceira agora confirma: “Dark” nunca quis ser um “Stranger Things” alemão. Completamente livre de ironia, intelectualmente exigente, altamente complexa e, claro, infinitamente sombria, a série provoca reflexões, questionamentos e, acima de tudo, capta a atenção de quem a assiste.

À medida que a trama progride – um termo relativo em um roteiro tão complexo com saltos no tempo – “Dark” desafia cada vez mais seu público: é difícil manter os emaranhados e relacionamentos separados, é difícil ver os pequenos e grandes segredos dos moradores, sem falar na complexidade da viagem no tempo. Reunir os níveis de tempo introduzidos nas duas primeiras temporadas (nosso presente, meados dos anos 80, início dos anos 50, 1921 e um futuro pós-apocalíptico) e suas diversas linhas de enredo – essa deve agora ser a tarefa do final furioso de uma série que foi feita desde o início para ser uma trilogia detalhada das viagens no tempo.

Se as verdadeiras causalidades pareciam questionáveis ​​em vista dos níveis de tempo “paralelos” existentes nas duas primeiras temporadas e tudo estava entrelaçado, a terceira temporada dissolve o eterno “ciclo”, no centro do qual até agora estava o misterioso Adam (Dietrich Hollinderbäumer), uma versão antiga do personagem principal Jonas (Louis Hofmann). Por sua vez, isso pode ser encontrado na terceira temporada em uma dimensão paralela, uma versão estranhamente alterada dos guinchos, que novamente parece estar relacionada ao destino inevitável de todos os personagens. O fato de que a estrutura complexa de tempo, espaço e destino não pode ser atribuída a um vilão ou a um gatilho fica claro para Jonas e também para o espectador.

Se você já viu as duas primeiras temporadas da série e gostou de assisti-las, provavelmente também assistirá ao “grand finale” de “Dark”. Todos os viciados em série que não viram um único episódio de “Dark” devem dar uma chance esta criação da Netflix. Sem brincadeiras,  série beira a perfeição.

“Tudo está conectado!” Esta frase é mencionada repetidamente em “Dark”, mas é claro que você precisa assistir o final da série para entender exatamente esse princípio norteador. A terceira temporada, aos olhos de quem vos escreve, faz de Dark uma das séries mais complexas e inteligentes. E não apenas porque é uma série bem pensada e emocionante do começo ao fim, mesmo que aqui o começo seja o fim e o fim seja o começo. Mesmo que Dark não seja a série perfeita e, com uma alta probabilidade, talvez não atenda ao gosto de todos os espectadores (o que é super normal).

Algumas perguntas ficaram no ar, como o que exatamente aconteceu com Aleksander Tiedemann/Boris Niewald? Quem são as pessoas desconhecidas na foto do Sic Mundus? e  que aconteceu com o olho de Torben Wöller (Leopold Hornung)? É claro que esses questionamentos sem respostas não tiram o brilho e a grandeza de “Dark”.

Sobre a atuação do elenco, os jovens atores em primeiro plano, apresentaram um desempenho sólido e louvável. Uma ou outra atriz brilhou mais que outras, mas no geral não poderíamos imaginar melhores. Devido à importância diferente dos personagens, alguns pareciam mais profundos e complexos que os outros. No entanto, todos se alinharam perfeitamente na imagem geral.

No futuro, a série será uma referência para novas produções com seu estilo narrativo inovador. Jantje Friese e Baran Bo Odar conseguiram concluir magistralmente esse épico místico de viagens no tempo com seus segredos complicados. O resultado final é mais do que suas peças de quebra-cabeça.

Comentários
Carregando...